Como uma das paixões nacionais, o carro é visto como símbolo de status social e de riqueza. Quanto melhor o seu carro, mais novo e mais acessórios tiver, mais bem-sucedido você é. Será mesmo?

Você já colocou no papel o quanto você gasta com o seu carro por mês? Vamos enumerar alguns pontos que você deve levar em consideração para conseguir fazer essa conta: combustível, multas, manutenção, pedágio, estacionamento, lavagem, seguro e impostos. É mais coisa do que você imaginava, não é? Infelizmente, as pessoas não pensam nisso quando resolvem adquirir um veículo. O principal pensamento é “Se a prestação couber no bolso, o carro é meu”. Não dá para ter noção de quantas pessoas fizeram um rombo em seu orçamento devido a esse pensamento simplista.

Fazendo uma rápida simulação de um carro com valor de R$ 50.000,00, que rode em média 1.000 km/mês, teremos:

 

Custo mensal

Combustível (R$ 3,20 o litro) R$ 320
Multas R$ 30
Manutenção R$ 180
Pedágio R$ 40
Estacionamento R$ 180
Lavagem R$ 50
Seguro (obrigatório e contratado) R$ 195
Impostos (IPVA, Licenciamento) R$ 135
TOTAL R$ 1.130

 

Repare que na tabela não foi adicionado o valor do financiamento. Considerando que o valor a ser financiado é de R$ 30 mil (pagando R$ 20 mil à vista), em 3 anos (36x) e considerando taxa de juros de 1,5% a.m, o valor da parcela será de R$ 1.084,00. Ao final das prestações você terá pago R$ 39.044,59 para o banco, ou seja, R$ 9 mil a mais, que representam 20% do valor inicial do carro. Assusta, não é mesmo?

Agora deixo uma reflexão, você gasta esse valor com sua família, sua educação e bem estar? Não?? Então porque gasta com o banco?

É primordial que você compre seu carro à vista, por essas razões citadas anteriormente. Você vai dizer: “Não tenho esse dinheiro todo para gastar de uma vez só”, então provavelmente seja necessário rever suas prioridades e isso inclui o valor do carro que você deseja adquirir. Não é vergonha para ninguém priorizar o equilíbrio financeiro à um bem material.

Se você ainda continua assustado com os valores, eis uma boa noticia: as grandes cidades estão priorizando soluções de mobilidade alternativas. Transporte coletivo, bicicleta, aplicativos de carona, táxis (e concorrentes) podem caber muito bem na sua rotina. Pense na turbinada que você pode dar nos seus investimentos e na sua vida, caso diminua seus custos com transporte.

Finalmente, temos de tirar a ideia de que carro é investimento. Longe disso, carro é um passivo que pesa bastante no orçamento. É um bem que desvaloriza com o tempo e gera despesa. Se você considera isso como investimento, então temos de concordar que é o pior investimento do mundo.

Voltamos a pergunta inicial, você ainda considera que o carro é símbolo de riqueza? Quem é rico gosta de ter dinheiro e não de desperdiça-lo. Entendem que ter um veículo é somente um meio de transporte e não um troféu que aumente seu status. Você tem o direito de poder e desejar o melhor carro possível, portanto que saiba os custos que ele trará e que caiba tranquilamente dentro do seu orçamento mensal, sem que tenha que se endividar ou diminuir/afetar seus investimentos para obtê-lo.